quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Nós vamos ter que engoli-lo

Como diz o samba: “tristeza não tem fim, felicidade sim”. A alegria que poderia nos acometer devido à justa atuação do Conselho de Ética, foi exterminada com o arquivamento dos processos contra o senador Sarney. O Zagalo foi mais palatável...

Diante de mais esta impunidade, o jornal O Desenfado dedica o número nove ao bigode mais poderoso de Brasília.

Neste blog você pode ler nossas edições anteriores. Envie suas sugestões para odesenfado@gmail.com.
Boa leitura! (boa?)
Equipe O Desenfado
_______________________________________
Este blog é uma versão eletrônica do jornal impresso O Desenfado e é atualizado quinzenalmente, após distribuição gratuita no Rio de Janeiro.
___________________________________
Respostas do Passatempo do número 8: Jogo dos sete erros 1) Dunga 2) Atchim 3) Feliz 4) Dengoso 5) Zangado 6) Mestre 7) Soneca 8) Guarda-chuva

Manchetes prováveis

Clique para ampliar

Pessoas que, provavelmente, se arrependeram do que fizeram...

Clique para ampliar
Raphael Santos
Clique para ampliar

Perfil profissional

Dr. Ovídio Nazareno Glote, otorrinolaringologista

Comida - Orelha de porco.

Música - Ai meu nariz (Balão Mágico).

Filme - Garganta profunda.

Defeito - Meter o nariz onde não sou chamado.

Mania - Fazer bonecos de cera.

Animal - Girafa.

Personagem - Narizinho.

Frase - Quem tem nariz, vai à Paris.

Testículo

Quadrilha

Vartan Melikian
www.cronicaeaguda.blogspot.com

Para dar um pouco de estética à temporada feia em que estamos passando, segue um momento poético. Senhoras e senhores, com vocês uma releitura do poema Quadrilha de Carlos Drummond de Andrade:

Calheiros abandonou Collor,
Que maldizia Sarney,
Que nunca foi companheiro de Lula,
Que perseguia os 300 picaretas,
Que adoravam messalinas* e mensalões,
Bancados pelo governo,
Que tinham campanhas financiadas pelos banqueiros,
Que amavam a política econômica do PSDB,
Que era exorcizada pelo PT

***

20 anos depois:

O PT imitou a política econômica do PSDB,
E agora é amado pelos banqueiros,
Que financiam campanhas para o governo,
Que bancam messalinas e mensalões,
Que são adorados pelos 300 picaretas,
Protegidos por Lula,
Que é companheiro de Sarney,
Que tem o apoio de Collor,
Que recebe a ajuda de Calheiros.
A única coisa que consigo entender desse poema é o título: Quadrilha.

***
Nota: De acordo com minhas profundas pesquisas (leia-se: Wikipedia), Valéria Messalina, mulher que deu origem a expressão, era filha de um aristocrata chamado Marco Valério. Nunca foi tão fácil ligar o nome a pessoa.

Outro testículo

É um pássaro? É um avião? É o Super-homem?
Paulo Dodô
Há quem diga que ele não é um homem comum. Não concordo. Mas que tem super poderes, isso tem. Ele não esconde uma identidade secreta, mas camufla centenas de atos da mesma natureza. Tem duas caras, mas não se troca nas cabines telefônicas, talvez por medo dos grampos da PF, o que seria um PF para prendê-lo. Seria mesmo?
Acho que não. Mesmo tendo havido a divulgação de gravações telefônicas comprometedoras, o cara é como o Eliot Ness: intocável até o último fio de cabelo do bigode. Nem mesmo seus colegas senadores o desafiam. Rabo preso? Certamente. O nosso presidente? Ah, este engole seco, isto é, sem gelo, para fazer alguma declaração.
E no Maranhão, estado natal do senador? Lá, nem se fala. Na região, a democracia já era e o homem é visto como rei, com a nobre família tomando conta de cargos políticos em municípios e órgãos públicos (públicos?). Em São Luis, há até quem diga que os famosos Lençóis Maranhenses não tinham este nome. Na verdade, eram chamados de Dunas Maranhenses, mas como no estado há tanta coisa por debaixo dos panos, o nome acabou mudando.
Mas o que segura este cara na presidência do Senado? Será a mozzarella da pizza que o grudou na cadeira?
Sei lá. Nem sei se é bom falar isso, mas não sei se seria uma boa ideia tirá-lo...
Rola um papo que em 2012 o mundo vai acabar. Dizem que tudo vai ser destruído, que a humanidade, plantas e animais serão exterminados. Como ninguém quer que o mundo acabe, será que não é melhor deixar o homem sentadinho na cadeira da presidência? Afinal de contas, se nada consegue destruí-lo e arrancá-lo de seu trono, enquanto ele estiver por lá talvez tenhamos a garantia de que o fim do mundo não acontecerá. Já o fim do Brasil...

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Número 8 - 1ª edição de agosto

Desenfado, o oitavo passatempo.

Leitores, conseguimos chegar ao oitavo número! E logo depois do sétimo! Que incrível, não?! Nós achávamos que demoraria mais e aqui estamos! É uma alegria descomunal!
Para quem não conhecia, O Desenfado é um jornal que contém piadas e textos de humor baseados em situações do dia-a-dia. É o passatempo da sua vadiagem, para escapar cinco minutos do trabalho, com a versão eletrônica, ou se distrair na praia ou no bar, lendo o exemplar impresso.
Você queira ler as edições anteriores neste blog. Para encaminhar críticas positivas, já que ignoraremos as negativas, envie sua mensagem para o e-mail odesenfado@gmail.com.
Boa leitura!
Equipe O Desenfado

  • Este blog é uma versão eletrônica do jornal impresso O Desenfado e é atualizado quinzenalmente, após distribuição gratuita no Rio de Janeiro.

Respostas do Passatempo do número 7: Jogo dos sete erros 1) Dunga 2) Atchim 3) Feliz 4) Dengoso 5) Zangado 6) Mestre 7) Soneca

Jogo dos sete erros + um

Clique para ampliar


Enquanto isso, na Sala de Justiça...

Clique para ampliar

Ligue o fato ao figura

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Testículo

Vartan Melikian


Ditos Populares


Quero saber quem deu aos ditos populares o poder de sentença final. Com eles, ninguém precisa mais se dar ao trabalho interpretar um fato, argumentar e contrapor de forma razoável. Basta dizer uma dessas frases feitas e... Pronto: questão resolvida.

Marido: “Amor, por que está chateada comigo?”

Esposa: “Para bom entendedor, meia palavra basta.”

Resultado: ela venceu a discussão e você vai se sentir culpado até a menstruação descer.
xxx

Para reforçar a tese, alguns creditam a frase à memória de alguém:

Neto saudoso: “Como dizia meu falecido avô: ‘cão que ladra não morde.'

Como se apenas o avô dele falasse isso. Dessa situação, tiro duas conclusões. Esse senhor passou a vida inteira sem ser mordido por um cachorro e sem saber o que estava dizendo. Eu já fui mordido três vezes e garanto: os cachorros latem antes de morder. É verdade.

xxx

Em Brasília, essas frases se proliferam tanto quanto funcionário no Senado. Quando tudo parece contra seus atos, sejam eles secretos ou escancarados, os políticos se defendem como se os ditos fizessem parte da constituição.

Senador cara-de-pau: “As aparências enganam.”

Depois, ao pedir que se esclareça o nosso suposto engano, vem o arremate:

O mesmo senador cara-de-pau: “A fala é de prata e o silêncio é de ouro.”

E como eles gostam de ouro, vocês imaginem o tamanho do silêncio.

Dizem que a última frase que se escutou por lá foi a resposta de José Sarney sobre a contratação do namorado da neta:

“A família é a base da sociedade.”

xxx

Na verdade, eu só queria olhar para a posição do Fluminense na tabela do campeonato e acreditar em apenas um desses ditos populares. “Os últimos serão os primeiros”. Mas tá difícil.

Outro testículo

Paulo Dodô


O nome do bebê

A notícia

- Amor?
- Sim?
- Eu tenho uma coisa pra te contar... eu...eu tô grávida!
- Grávida! Não acredito! Não acredito! Eu te amo! Eu te amo! Um filho!
- Eu também te amo, amor...

Situação 2

- Amor, se for menino quero que tenha o seu nome.
- Ah, legal!
- E se for menina quero que se chame Sandra.
- Sandra?
- Sandra, por quê?
- Não, Sandra é legal. É...é legal.
15 meses depois
- Amor, quero falar com você.
- Ih....
- Pode falar “Ih” porque é papo ruim!
- O que foi, amor?
- Conversei com a sua irmã, quando levamos a Sandrinha para tomar sol.
- Sim?
- Ela me contou que o nome de uma ex sua é Sandra!
- Ah, amor, não quis comentar porque achei que não tinha nada a ver!
- Nada a ver?! Você esconde uma coisa de mim e não tem nada a ver?
- Amor...
- Você ainda gosta dela? Você pensa nela? Idiota! Por que não contou? Você estraga tudo! Você estraga tudo!

Situação 2

- Amor, se for menino quero que tenha o seu nome.
- Ah, legal!- E se for menina quero que se chame Sandra.
- Sandra?
- Sandra. Por quê?
- Não, Sandra é legal. É...é legal.
- Qual o problema com Sandra, amor?
- Não, é legal, é legal...gostei.
- Fala amor!
- O quê?
- Fala que eu te conheço!
- É que Sandra é o nome de uma ex-namorada...ia ser estranho ter uma filha com esse nome...
- Estranho por quê? Você ainda gosta dela? Você pensa nela? Idiota! Por que foi me contar? Você estraga tudo! Você estraga tudo!

Situação 3

- Amor, se for menino quero que tenha o seu nome.
- Ah, legal!
- E se for menina quero que se chame Sandra...
- VAI SER MENINO E NÃO SE FALA MAIS NISSO!